30.06.14

…praias de areia branca, sem ondulação e águas quentes! A escolha ideal para os amantes de destinos de férias pautados por praia e calor.

 

 

Esta pequena ilha de 193 km2 é o ex-líbris dos amantes do jogo, possuindo 10 casinos, na sua maioria abertos 24 horas por dia. Localizada no mar caribe, a sua costa oferece condições para a prática de todos os desportos náuticos bem como uma infinidade de atividades lúdicas aquáticas. O território integra o reino Holandês, sendo os idiomas oficiais o holandês e o papiamento, um idioma indígena com um léxico fortemente marcado pela influência do português trazida pelos escravos das antigas colónias portuguesas em África e do vizinho Brasil. Atualmente o turismo é a sua maior fonte de rendimento, impulsado pela organização própria da coroa holandesa. Até há poucos anos a ilha explorava e refinava os seus jazigos de petróleo, tendo protagonizado uma tranquila transição de uma economia petrolífera a uma economia apoiada na produção interna, uma vez extintas as reservas de petróleo.

 

A maioria dos serviços comerciais, utilizados por turistas, são prestados em inúmeros idiomas, numa flexibilidade linguística impressionante. O facto de ser um território pequeno, submetido desde tenra idade aos canais de televisão americanos, conjugado com o convívio permanente com turistas provenientes de todos os pontos do mundo faz da sua gente poliglotas natos.

 

Uma volta por toda a ilha não leva mais do que uma manhã e permite perceber que é possível criar fontes de rendimento e postos de trabalho em todas as escalas. Aqui há fábricas de cerveja, de água, museus, etc.. a escassos 25 km, a norte da costa ocidental venezuelana (Estado Falcón), o resultado de dois modelos políticos antagónicos está à vista de todos: um enfocado na produtividade e na iniciativa privada e outro centralizado na inercia que caracteriza o poder público estatal.

 

Um excecional cantinho da comunidade europeia no Caribe!

 

A oferta de alojamento é para todos os gostos e para todas as carteiras. Por exemplo, o complexo Marriot oferece aparthotel e hotel com uma oferta de serviços excecional: casino, piscinas para adultos, piscinas de acesso livre a todos os hóspedes do hotel, praia privativa com serviço de bar e massagens, distintos restaurantes e snackbars, lojas de roupa, souvenires, tratamentos de beleza, cabeleireiro, SPA, aluguer de carros e a popular joalharia La Esmeralda, onde é possível adquirir os clássicos exemplares de esmeraldas com selo de qualidade colombiana!

 

As praias devem ser selecionadas em função do que se procura, uma vez que estão organizadas/ocupadas em função das características geográficas que oferecem. Para os amantes de windsurf, de surf, de snorkling, de desportos motorizados aquáticos ou simplesmente disfrutar das quentes e turquesas águas caribenhas, etc.. Os turísticas que gostam de aventura não incomodam os que preferem nada fazer, numa harmoniosa e organizada convivência.

 

Ao longo da ilha encontram-se excelentes restaurantes e na capital Oranjestad, é possível comprar todo o tipo de produtos das mais luxuosas marcas mundiais, de Louis Vuitton a Salvatore Ferragamo, etc... Não obstante, a capital da ilha reduz-se a dois ou três quarteirões, cujo início e o fim são difíceis de delinear.

 

Ao contrário do que acontece em muitos pontos da América do Sul, aqui a segurança é total adornada por um sentido de humor irrefutável que leva a que todas as viaturas tenham na sua matrícula a inscrição oficial: One Happy Island!

publicado por viagenslatinas às 20:18

O parque Nacional de Morrocoy situa-se entre a costa oriental do Estado Falcón e o noroeste do Golfo Triste, no litoral Centro Ocidental da Venezuela. Tem a particularidade de ser terrestre e aquático, pouco povoado, sendo as povoações mais conhecidas Tucacas e Chichiriviche. Oferece mangais e inúmeras ilhotas, habitualmente denominadas por Cayos, conhecidos pelas suas espetaculares praias caracterizadas por pequenas e imaculadas línguas de areia banhadas pelas águas turquesas do Caribe.

 

 

Apesar da zona ser mais procurada pelas suas excelentes praias, o parque apresenta uma fauna rica, sendo o seu habitante mais popular a tartaruga (verde, carey, cardón y cabezón), também em termos de avifauna, existem mais de duas centenas e meia de espécies. Frequentando estas praias vislumbra-se com frequência pelicanos em plena atividade predadora, embora a densidade populacional é aparentemente inferior à que se pode apreciar em Los Roques.

 

Na gíria popular venezuelana existe o dito popular: “llegó a paso de morrocoy”, porque popularmente se chama à tartaruga morrocoy, pela elevada densidade populacional deste réptil no parque natural.

 

Para os amantes de snorkling, este é um spot espetacular que nos amarra horas seguidas a apreciar a colorida diversidade de espécies piscícolas e coralinas.

 

Ao longo do parque é possível encontrar alojamento em algumas pousadas de qualidade, no contexto da oferta hoteleira do país, entre as mais conhecidas está a La Ardileña e Los Cocos. Qualquer que seja a opção, é preferível optar por um alojamento que assegure o transporte desde a pousada até aos cayos, ou seja, inclua o traslado até ao cais de embarque e, daí, o barco até aos cayos.

 

Nos cayos, é possível disfrutar de ceviches, ostras, massagens, bebidas, ou, o popular “pescado frito con ensalada y tostones” da costa venezuelano.

 

Nalguns casos, há pequenas embarcações que se ancoram junto à praia e vendem cachorros quentes, preparados na hora. Uma experiência sui generis, entrar na água acima dos joelhos para comprar um cachorro quente…

 

A praia e as águas são tipicamente caribenhas: turquesas, quentes, sem ondulação a habitadas por deslumbrantes e coloridas espécies de peixes!

 

O percurso para chegar aos cayos pode ser mais ou menos romântico, assim como se pode optar por um cayo mais próximo ou mais afastado da costa continental. Recomenda-se fazer o canal do amor no regresso, quando muitas aves já estão de volta ao seu ponto de aconchego noturno, disfrutando uma vez mais da beleza natural da fauna de Morrocoy.

 

Naturalmente, a rede vial para chegar à zona do parque é deficitária, e a insegurança é muita, pelo que se recomenda planear a viagem para chegar ainda com a luz do dia, considerando uma a duas horas de folga, para imprevistos, face ao que seria o tempo normal de viagem.

 

Morrocoy é um paraíso subdesenvolvido em pleno Mar Caribe!

tags:
publicado por viagenslatinas às 20:09

 

...no dialeto caribe dos Indios Chipas, significa local onde nasce nosso sol.

 

 

É uma pequena povoação na orla do Mar Caribe na costa Centro Ocidental venezuelana, integrante do Parque Nacional Morrocoy. A este apresenta inúmeras ilhotas ou cayos, como são aqui conhecidos, caracterizados pelas suas areias brancas. A oeste oferece o Refugio de Fauna de Caure e a sul o Golfo der Cuare.

 

A estrada que nos conduz até à praia ofrerece-nos uma avifauna rica, protagonizada por espécies adaptadas a habitats lagunares, como a Corocora Roja.

 

No passado este já foi um destino turístico de qualidade, mas com o passar dos anos, parece não ter havido investimento em infraestruturas, o que por sua vez afasta os investidores da indústria hoteleira. Por aqui, conseguem-se pousadas, algumas confortáveis, mas todas com pequena capacidade, dispondo de um reduzido número de quartos, na sua maioria exploradas por amadores desta indústria. A chegada é uma desilusão, já que as ruas estão invadidas de lixo, pavimento inesxistente ou muito danificado, resultando numa envolvente de aspecto pobre e sujo

.

A Pousada selecionada foi La Kanostra, explorada e atendida por italianos, onde os quartos oferecem condições mínimas de conforto, e uma comida é excelente.

 

Chichiriviche não se recomenda como uma primeira escolha para visitar o Parque Nacional de Morrocoy. Tucacas, outra povoação inserida no Parque, oferece mais e melhores condições turísticas.

 

No pequeno porto é possível apanhar embarcações para os cayos do Parque, onde as praias são paradisíacas e a fauna e flora aquáticas, tipicamente caribenhas, nos deslumbram.

 

O trajeto, de carro, a partir de Caracas demora cerca de 6 horas, e, nas condições atuais de elevada insegurança, é muito arriscado.

 

Uma visita que se recomenda numa Venezuela (futura) mais segura e infraestruturada para o turismo, não na Venezuela atual.

 

tags:
publicado por viagenslatinas às 17:33

Twitter
Relatos de uma Europeia a residir, temporariamente, na Venezuela, das suas viagens pelo continente americano, aproveitando para conhecer algumas das inúmeras ilhas banhadas pelo Mar Caribe.
mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29


arquivos
2014:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2013:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2012:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


subscrever feeds
blogs SAPO