28.01.13

 

 

 

A primeira viagem, após a minha chegada a Caracas, foi a Los Roques. um arquipélago venezuelano paradisíaco perdido no mar do Caribe.

Parque Nacional desde 1972, destaca-se pelas várias dezenas de kms de extensão dos seus corais que envolvem 50 ilhas e 292 ilhotas (cayos) e bancos de areia. Os seus recifes de coral são os mais ricos em biodiversidade e mais bem conservados do mar Caribe.

 

Apenas a ilha Gran Roque é habitada permanentemente por cerca de 1200 pessoas. Nesta encontram-se as pousadas, os restaurantes e poucos cafés. Não há discotecas, animação noturna, cinemas, ou outra diversão cosmopolita.

 

Devido à reduzida dimensão da Gran Roque, às dificuldades às transações comerciais impostas governamentalmente e às escassez de água doce, não se desenvolveram grandes infra-estruturas turísticas, resumindo o alojamento a pequenas pousadas com reduzido número de quartos (4 a 10).

 

A pesca apenas é permitida aos habitantes locais, uma restrição que promove a biodiversidade das espécies, sendo facilmente visíveis exemplares de barracudas, atum e outros peixes de grande porte. Existe também grande variabilidade e quantidade de crustáceos. Estima-se que 90 % da lagosta consumida na Venezuela provem destas águas.

 

Para além dos restaurantes existentes na Gran Roque existem noutras ilhas mais alguns locais ("restaurantes") onde se pode comer bom marisco e bom peixe.

 

Apenas a Gran Roque possui aeroporto, onde aterrar nos causa a sensação única de fim de pista... o avião inverte a marcha para regressar ao ponto de início da aterragem, já com o mar a contornar a delimitar esta. As aeronaves utilizadas têm usualmente apenas um motor e a tripulação resume-se ao piloto que vai acompanhado de um passageiro no lugar de co-piloto (no total entre 6 e 10).

Na viagem de regresso, a passageira que vestiu a pele de co-piloto passou toda a viagem a distrair o piloto com fotos, perguntas sobre todo o aparato que integra a cabine...

 

Existem algumas companhias que possuem aeronaves com dois motores a fazer o trajecto Caracas vs Los Roques, como a Chapi Air, neste caso, existe uma hospedeira a bordo. O número de passageiros rondará os 40.

Viajar nestes aviões dá-nos a sensação de que se desintegrarão a qualquer momento, devido à avançada idade que possuem.

 

Em qualquer destas aeronaves a viagem é indescritível!

 

Veja mais fotos aqui do que pode disfrutar neste paradisíaco arquipélago.

 

 

publicado por viagenslatinas às 19:56

Motivações pessoais conduzem a residência da Europa para a América Latina. Um continente que desconhecia até há poucos meses.

A vida proporcionou-me a possibilidade de visitar alguns países, entre vinte e vinte cinco.

A maioria europeus, mas também alguns da África e da Ásia.

Fascinei-me com a cultura asiática e emocionei-me com a pobreza africana. Não sei o que esperar da América Latina. Vim de mente aberta e respeito ao alto.

 

 

Os meios de comunicação proporcionam-nos quase tudo, não obstante há uma emoção que decorre do confronto entre cada um de nós e o outro que não se experimenta na internet, na visualização televisiva, na audição de rádio. Cada Homem resulta numa obra única, decorrente de um processo de aprendizagem, num ambiente de amor e diálogo, que proporcionam a confiança necessária ao desenvolvimento da sua unicidade. E desta advém a sua realização pessoal e profissional.

 

O confronto entre Homens originários de educações e níveis de confiança distintos é algo instransmissível. Um europeu experimenta emoções frente a um asiático, que um africano não pode experimentar. O respeito desta individualidade encontra-se envolvido por uma riqueza cultural que tentarei transmitir neste blog através da partilha das minhas aventuras e viagens pela América Latina.

 

Cheguei a 17 de Outubro de 2012.



 

publicado por viagenslatinas às 19:37

...As férias proporcionaram o único momento de reflexão dos últimos dias. Das últimas semanas. Dos últimos meses.

Uma decisão pendente: ganhar ritmo de vida e perder ritmo de trabalho?!?

O tempo passa e carece-se de uma tomada de decisão.

 

Um dia surgiu: vou deixar o trabalho. Vou afastar-me geograficamente dos amigos... da família.

Vou mudar de país!

 

O primeiro dia do resto de uma vida.

publicado por viagenslatinas às 19:29

Twitter
Relatos de uma Europeia a residir, temporariamente, na Venezuela, das suas viagens pelo continente americano, aproveitando para conhecer algumas das inúmeras ilhas banhadas pelo Mar Caribe.
mais sobre mim
Contador visitantes
pesquisar
 
Janeiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
29
30
31


arquivos
2014:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2013:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2012:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


subscrever feeds
blogs SAPO